segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Ford



"Ford"
Série, nº17

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

A vermelha



Série, nº16
Ecoline

Observação sobre as imagens da Série de trabalhos do caderno de rascunho (Sketchbook ou Croquis):

Para não deixar o blog sem atualizações enquanto não posto coisas realmente novas, vou intercalar as postagens publicando esse e outros desenhos do meu antigo caderno de desenho feitos alguns anos atrás e que recentemente descobri perdido nas minhas coisas...

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Aguada



Aguada

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Solidão




" A solidão é apenas o começo de um relacionamento, mesmo que esse relacionamento seja com você mesmo!"

Série, nº15
RM.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Argentina: La Historieta Argentina San Martín



La Historieta Argentina por Felipe Pigna San Martín

Bem-vindo a 2011!

Volto para mais um ano de atividades por aqui no blog! Depois de ficar afastado para tirar minhas sagradas férias de estudos e trabalhos, colégios e salas de aulas, projetos e compromissos, estou de volta ao Rio de Janeiro e cheio de idéias para concretizar esse ano!
Mas, pera lá?! Voltar ao Rio? Sim, estive viajando nessas férias e descobrindo lugares novos e ampliando horizontes! Meu destino: Argentina! Terra de nossos vizinhos, hermanos... Estive em Buenos Aires e visitei a terra do Tango, dos helados(sorvetes a base de doce de leite, deliciosos por sinal!), de Eva Peron e Diego Maradona e também das Historietas! (História em Quadrinhos na Argentina)

A Argentina é um país fascinante e muito difícil de não se deixar seduzir. Fui muito bem tratado pelos argentinos e descobri que nossa rivalidade com eles é uma tremenda de uma bobagem! Mesmo não falando espanhol, e muito mal "portunhol", eles até conseguiam me entender! Aceitavam em alguns lugares nosso Real, visto que sua moeda está menos valorizada perante a nossa, eram solícitos e educados.
Bueno Aires é uma cidade grande e encantadora e para os que apreciam cultura, como eu, um prato cheio. Teatro, shows, cinema, gastronomia, bares, museus, praças, avenidas, palácios, etc., tudo excepcional. A única coisa que me deixou um pouco chateado é atual crise financeira do país e o estado de conservação de algumas coisas, como ruas e monumentos, mas tirando a política, Buenos Aires é uma cidade incrível.
Visitei o túmulo de San Martín, o Banco de la Nación, o cemitério de la Recoleta, Puerto Madero, o bairro La Boca e passei em frente a Casa Rosada. Uma das coisas que mais me impressionou foi o tamanho das avenidas, muito largas e arborizadas. Para se ter uma noção, a principal deles Av. 9 de Julio que dá na Plaza de Mayo, são duas da nossa Av. Presidente Vargas e a altura dos palácios de variadas cúpulas são o dobro da altura dos nossos!
Descobri quando voltei que até nossa presidenta Dilma Rousseff esteve por lá nesse início de ano para um encontro com a presidenta deles Cristina Kirchner no primeiro encontro das presidentas Sul-Americanas da História. Pelo visto, houve uma invasão de brasileiros esse ano em Buenos Aires, afinal, se a presidenta "mãe da nação" vai visitar nossos hermanos, os "filhos" também acompanham! Espero poder voltar sempre em Buenos Aires e contarei mais detalhes dessa viagem em outros posts...

Mas voltemos as historietas, essa imagem aí de cima é a capa do primeiro número de uma coleção de histórias e heróis clássicos deles. Todas são ilustradas por artistas argentinos e vendidas em bancas de jornais. Em particular, trouxe esse exemplar, como um souvenir e também pela ótima qualidade dos desenhos.
Descobri, entre outras coisas, que existem grandes artistas argentinos fazendo Quadrinhos. Ainda acho nossas bancas mais fartas de HQs, mas na deles, reinam os heróis americanos no mesmo pé de igualdade com os nacionais, e lá não houve, como aqui, o fenômeno Turma da Mônica, então, existem historietas policiais, eróticas, de humor e não apenas lúdicas como predominância nacional. Para os argentinos, "las historietas" não são sinônimo de infantilidade como no Brasil. Contudo, Quino vende em qualquer canto e até mesmo no metro (enorme, por sinal), nas paredes dos corredores tem cartazes de tirinhas ampliadas da Mafalda.
San Martín me custou 10 Pesos e o jornaleiro para me convencer a levá-la (até parece que era necessário) me explicou que valia 5 Reais em nossa moeda. Dei os 10 Pesos que ele queria por ela e trouxe para casa uma HQ em espanhol sobre a história de San Martín, herói nacional argentino.

Com um dicionário do lado para ajudar, vou ler e reler...