quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Beijing 2008



Jogos Olímpicos de Beijing, China.

Estamos acompanhando os Jogos Olímpicos de Beijing na China esses meses e não posso deixar de fazer um comentário a respeito. Sinceramente, os chineses fizeram um trabalho extraordinário! Eles que há bem pouco tempo nem participavam dos jogos, são um país comunista extremamente rigorosos e cheios de problemas, inclusive envolvendo liberdades de expressão como o caso da censura ao Youtube, Blogs, sites, etc., ainda assim fizeram um grande espetáculo internacional do esporte! Realmente temos que parabeniza-los por isso! Muito linda a festa de abertura e encerramento no estádio do Ninho do Pássaro, muito boa a organização, o Cubo D’água, enfim... Excelente! Já estamos ficando com saudades, foi tudo muito rápido. O padrão das Olimpíadas foi elevado ao extremo de sofisticação e requinte. Agora, vamos ver se os outros países vão conseguir manter esse novo padrão, principalmente a Inglaterra -próxima a sediar os jogos- e no nosso caso; o Brasil, que pretende entrar nessa corrida...

Bom, sobre o desenho, além de fazer parte do tema, fiz em uma dessas noites de insônia tentando ficar acordado para assistir ao meu esporte olímpico preferido: Esgrima! Deixo aqui registrada apenas a minha crítica aos canais de televisão abertos e fechados que durante essa e outras transmissões olímpicas, quase não passaram os jogos de esgrima! Na TV por assinatura, só em imagens de abertura ou pequenos flashes durante a programação e na TV aberta nada! Resumindo, horrível! Fico triste, porque se fala tanto em incentivar os esportes, mas no momento de apresentá-los as pessoas impera esse tipo de mentalidade, só esportes coletivos e de apelo popular para render audiência... Lamentável.

R. Menicucci

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

O Código Da Vinci



O Código Da Vinci
The Da Vinci Code
Dan Brown
Ed. Sextante

"Um assassinato dentro do Museu do Louvre, em Paris, traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo que foi protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo. A vítima é o respeitado curador do museu, Jacques Saunière, um dos líderes dessa antiga fraternidade, o Priorado de Sião, que já teve como membros Leonardo da Vinci, Victor Hugo e Isaac Newton.

Momentos antes de morrer, Saunière deixa uma mensagem cifrada que apenas a criptógrafa Sophie Neveu e Robert Langdon, um simbologista, podem desvendar. Eles viram suspeitos e em detetives enquanto tentam decifrar um intricado quebra-cabeças que pode lhes revelar um segredo milenar que envolve a Igreja Católica.

Apenas alguns passos à frente das autoridades e do perigoso assassino, Sophie e Robert vão à procura de pistas ocultas nas obras de Da Vinci e se debruçam sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental - da natureza do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal. Mesclando os ingredientes de um envolvente suspense com informações sobre obras de arte, documentos e rituais secretos, Dan Brown consagrou-se como um dos autores mais brilhantes da atualidade."

.....................................................................................

Opinião:

O maior fenômeno de vendas dos últimos tempos É BOM! Uma afirmação simples para uma história complexa que envolve tudo e todos. Mesmo para criticar ou elogiar é difícil, cada um tem que ler/ver por si próprio e tirar suas próprias conclusões... Muito já foi colocado -bem e mal- a respeito e não me cabe falar e julgar mais do que já foi dito. Reservo apenas o direito de sugerir essa leitura, pois apesar das críticas e dos fatos envolvendo o assunto, é bem interessante... E ponto! Se for verdade o que a trama sugere, se tudo isso for pra vender, para assustar, causar polêmica ou se nem o autor é o dono dessa idéia e etc... Eu não sei! O que sei é que se não é uma verdade absoluta sobre assuntos tão delicados pelo menos preenche todas as qualidades que deve ter um bom produto! Não me refiro apenas ao livro ou ao filme isolados, mas como a marca que se tornou essa história. Então, para quem goste ou não dela, acho que não fica a dúvida sobre isso... Penso se tratar de uma leitura obrigatória e que vale a pena também conhecer seus desdobramentos; filme, livros, entrevistas, documentários, etc.

Segue abaixo um dos trailers do filme:

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Desert Rose - Sting



Desert Rose – Sting

I dream of rain
I dream of gardens in the desert sand
I wake in pain
I dream of love as time runs through my hand

I dream of fire
Those dreams are tied to a horse that will never tire
And in the flames
Her shadows play in the shape of a man's desire

This desert rose
Each of her veils, a secret promise
This desert flower
No sweet perfume ever tortured me more than this

And as she turns
This way she moves in the logic of all my dreams
This fire burns
I realize that nothing's as it seems

I dream of rain
I dream of gardens in the desert sand
I wake in pain
I dream of love as time runs through my hand

I dream of rain
I lift my gaze to empty skies above
I close my eyes, this rare perfume
Is the sweet intoxication of her love

I dream of rain
I dream of gardens in the desert sand
I wake in pain
I dream of love as time runs through my hand

Sweet desert rose
Each of her veils, a secret promise
This desert flower
No sweet perfume ever tortured me more than this

Sweet desert rose
This memory of Eden haunts us all
This desert flower, this rare perfume
Is the sweet intoxication of the fall

Tradução:

Rosa do deserto

Ley leye ley leyee oh oh wow wow..

Hai beeno belep beeno
Venenha vesanowa ah dola dola dolati
Venenha vesanowa ah dola dola dolati
Venenha vesanowaa..
Ah me pasandi

Eu sonho com chuva ley le le..
Vesonowaa
Eu sonho com jardins na areia do deserto
Eu acordo na dor ley le le..
Vesonowaa...
Eu sonho com um amor como o tempo que corre pela minha mão

Eu sonho com fogo aye aye..
Oh oh eh
Aqueles sonhos são arrastados para um cavalo que nunca vai cansar
E nas chamas leye leye
Oh oh oh
As sombras dela brincam na forma do desejo do homem

Essa rosa do deserto leye leye
Cada um de seus véus, uma promessa secreta
Essa flor do deserto leye leye
Nenhum doce perfume jamais me torturou mais do que esse

E agora ela se vira leye leye
Esse jeito que ela se move na lógica dos meus sonhos
Esse fogo queima leye leye
Eu percebo que nada é o que parece

Eu sonho com chuva leye leye
Oh oh oh
Eu sonho com jardins na areia do deserto
Eu acordo na dor leye leye
Eu sonho com um amor como o tempo que corre pela minha mão

Eu sonho com chuva leye leye
Eu levanto minha contemplação para os céus vazios acima
Eu fecho meus olhos, esse perfume raro
É a doce intoxicação do amor dela...

Oh mona mona mona mona mona oh....

Eu sonho com chuva leye leye
Oh oh oh
Eu sonho com jardins na areia do deserto
Eu acordo na dor leye leye
Vesonowaa..
Eu sonho com um amor como o tempo que corre pela minha mão

Doce rosa do deserto leye leye
Cada um de seus véus, uma promessa
Essa flor do deserto ley leye,
Nenhum doce perfume jamais me torturou mais do que esse
Doce rosa do deserto leye leye
Essa lembraça do Éden infesta todos nós
Essa rosa do deserto,
Esse raro perfume é a doce intoxicação da redenção

Yoo..
Reliya tho reliya...

68 UTOPIAS NAS RUAS



68 Utopias nas Ruas

"Protestos estudantis em Paris, Berlim, Roma, Tóquio, Cidade do México, Rio de Janeiro, São Paulo, Buenos Aires, Nova Iorque. Primavera de Praga. Repressão policial. Transmissões ao vivo pela televisão. Pacifistas. Guerra do Vietnã. Luta pelos direitos civis. Panteras Negras. Assassinato de Martin Luther King. Contracultura. Movimento hippie. Vida alternativa. Psicodelismo. Liberdade sexual. Feministas. Direitos dos homossexuais. Tropicália. Drogas e rock’n roll. Filosofia oriental. Guardas Vermelhos. Defesa do meio ambiente. Primeiras imagens da Terra. Um ano em que tão variados e significativos eventos se realizaram em dimensão mundial, repercutindo até hoje, 40 anos depois. O Curso busca traçar um painel desses ricos acontecimentos, especialmente para as novas gerações, na tentativa de entender por que 68 é um dos anos mais marcantes e representativos do Século XX na política, na cultura, no comportamento. A geração de 68 mudou nossa maneira de ver o mundo."

Prédio da Reitoria, UFRJ, Fundão, Rio de Janeiro, De 15/09 a 31/10 de 2008.
Blog: http://68utopias.blogspot.com/
O evento é gratuito e aberto ao público em geral, com entrega de certificados para os inscritos.

Através de e-mail -
Enviar para UTOPIAS68@YAHOO.COM.BR:
NOME, CATEGORIA, INSTITUIÇÃO e E-MAIL

Presencialmente no CLA -
(prédio da Reitoria, térreo, Cidade Universitária, Fundão)
Entregar:
NOME, CATEGORIA, INSTITUIÇÃO e E-MAIL
.....................................................................................

Em ano de aniversário e muita reflexão sobre a revolução mundial que ocorreu em 1968 mundo afora, sugiro, para todos que se interessam pelo assunto, conferir esse evento realizado pelo Centro de Letras e Artes (CLA) da UFRJ no Rio de Janeiro! Palestras, apresentações teatrais, exposições e etc, você pode encontrar na programação no site/blog.

domingo, 14 de setembro de 2008

Adbusters



Bom, nem só de boas leituras e belas imagens sobrevive esse Blog. Em ano de eleições país a fora e muita polêmica em torno da corrida presidencial nos EUA, resolvi também postar imagens de conteúdo mas sério e político mas que também envolvessem artes gráficas. Como estou sugerindo muitas leituras ultimamente, desta vez vou sugerir não um livro mas um site da Internet.
Essa ilustração foi retirada do site Adbusters que pra quem não conhece eu recomendo porque o site além de muito enriquecedor culturalmente, também tem boas idéias, imagens fotográficas e desenhos, sempre num tom de ironia/crítica a sociedade capitalista de consumo e a política internacional do atual governo estadunidense! O autor eu desconheço, mas seja quem for está de parabéns!Vale uma visita com certeza!

www.adbusters.org

Wolverine: SNIKT!



SNIKT!
Wolverine Snikt!
By Tsutomu Nihei
Ed. Paninicomics

Sinopse: Num futuro dominado pelos misteriosos Donatários, a humanidade vive seus dias mais sombrios. Reduzida a pequenos bandos dispersos e acuados, sua única esperança repousa num guerreiro do passado, cujas garras metálicas são a única arma capaz de derrubar a tirania de seus violentos opressores. Um guerreiro chamado... Wolverine! Acompanhe o mais sanguinário integrante dos X-Men nesta insólita viagem no tempo, retratada em estilo mangá pelo incrível Tsutomu Nihei.

Muito boa versão de Wolverine em formato Mangá!

Punisher: Welcome Back, Frank!



Justiceiro: Bem-vindo de volta, Frank!
Ed. Paninicomics
Originalmente publicada pela Marvel Comics em Punisher #1 a 12.

Sinopse: Nesta edição - Frank Castle, o Justiceiro, trava uma guerra sem trégua contra o crime, uma bala de cada vez. Seu primeiro alvo: a família Gnucci, encabeçada pela famigerada Mama Gnucci. Mas a Força-tarefa Especial do Justiceiro da polícia de Nova York, liderada pelo azarado detetive Soap, jurou acabar com Castle.
Adicione ao tumulto uma nova safra de vigilantes — o Santo, Elite e o Sr. Troco, três loucos virtuosos inspirados pelo próprio Justiceiro — e o gigantesco assassino conhecido apenas como Russo e você terá uma das mais inspiradas sagas já estreladas pelo flagelo do submundo nova-iorquino.
Garth Ennis, Steve Dillon, Jimmy Palmiotti e Tim Bradstreet(capas) unem-se nesta brilhante obra, que reintroduziu Frank Castle no Universo Marvel, tornando-o novamente um dos personagens preferidos dos leitores!

Fonte: www.paninicomics.com.br
.....................................................................................

"Foi absolutamente prazeroso escrever as aventuras do velho Frank, e espero que, ao ler o resultado, você se divirta o mesmo tanto que eu. (...) Por isso, continue com a gente para mais massacre e mutilações enquanto Frank faz um monte de coisas hediondas - mas curiosamente inovadoras - em pessoas, e uma certa... estranheza começa a nos rodear pelos cantos. Só não esqueça que é só uma boa diversão (fora as partes que não são) e que você não precisa se preocupar com nada. Pode curtir o Justiceiro de consciência tranqüila. Não é um alívio..."

Garth Ennis.

Trecho escrito pelo autor, retirado do prólogo do livro.

sábado, 13 de setembro de 2008




Dans un des wagons du train Paris-Lyon, voyageaient un capitane, une dame de soixante ans, une jeune étudiante et un jeune homme. Ils étaient tous três bien vêtus, et se regardaient sans se parler. Après quelques heures d’un monotone voyage, le train est entré dans un tunnel noir.

SMACK! PAFT! Ils ont écouté le bruit d’un baiser et d’une claque.
Quand le train est sorti du tunnel, la figure du capitaine était rouge, marquée par la tape.
Le silence a persisté jusqu’à la fin du voyage. Ils se sont dit au revoir et sont partis.

Pensées de la dame:
“Quelle audace de ce capitaine! Bien fait pour lui! Il a embrassé la jeune fille dans le tunnel! Il a gagné ce qu’il méritait! Une claque!”

Pensées de la jeune fille:
“Je pense que ce capitane est fou! Embrasser la vieille au lieu de m’embrasser! Tant pis! Il a reçu une belle claque!”

Pensées du capitane:
“Quel jeune homme impertinent! Il a tenté d’embrasser la jeune fille et c’est moi qui ai reçu la claque!”

Pensées du jeune homme:
“Tout s’est passé comme prévu! Le son du baiser sur ma main et ma main sur la figure du capitaine!”

Le fin.

Ilustração: R. Menicucci

L’HOMME ET LE PIGEON



L’HOMME ET LE PIGEON

Marcel était comme tous les autres. Il travaillait, il allait au restaurant les week-ends, et il portait une cravate fleurie. Il était cadre dans une grande multinationale. Ce jour-là était reservé pour de grandes affaires, concernant beaucoup d’argent.

Il a rangé l’argent dans sa mallette, et il est sorti de chez lui. Il est sorti comme un robot, et il se sentait comme um robot, répétant tous les jours la même chose. Sa femme lui a dit qu’il était un grand homme. Mais il ne se sentait pas grand.

Malgré tout cet argent, il voulait disparaître. Il passait déjà près du centre-ville, et voyait de plus en plus de gens, en cravate, sans cravate, ou même sans chemise. Des garçons demandaient de l’argent dans l’autobus où il était, et toutes les personnes semblaient faire les mêmes gestes mécaniquement...sans arrêt.

Il a pensé: “Je n’en peux plus”.

Il est monté l’immeuble le plus haut du centre, et il s’est vu sur le toit.

Marcel a ouvert les bras.

D’ici, les gens sont comme des fourmis.

Marcel a regardé les personnes une dernière fois.

Marcel a remarqué qu’un pigeon s’est posé tout près de lui.

Il a regardé Marcel.

Marcel a pris un reste de pain et l’a jeté au pigeon.

Le pigeon l’a mangé.

D’ici, les personnes sont comme des fourmis.

Marcel a regardé les personnes une dernière fois, a ouvert sa malette, et a vu l’argent s’envoler comme les restes de pain. Le pigeon s’est envolé.

Le fin.

Ilustração: R. Menicucci

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

ALDEBARAN



Aldebaran
By Leo (Luís Eduardo de Oliveira nome original do autor brasileiro)
Ed. Dargaud (Panini Comics na versão em portugues)


Sinopse: Num futuro distante, em um mundo longínquo, formado quase em sua totalidade por água e denominado Aldebaran, os primeiros colonizadores espaciais terrestres passam a presenciar estranhos fenômenos marinhos: aparentemente, uma poderosa e enigmática força está provocando morte e destruição em todo o planeta. Mas o que realmente estaria ocorrendo? Seria tudo obra de alguma criatura inteligente ou um extraordinário feito da natureza? Vítimas de uma tragédia que se abate sobre sua aldeia, os jovens Marc e Kim rumam para a capital de Aldebaran em busca de respostas para essas perguntas. Durante a jornada, eles fazem inúmeras descobertas, inclusive de uma sinistra conspiração que tenta esconder do povo deste estranho mundo o que verdadeiramente está ocorrendo.

.....................................................................................
"...Nascido no Rio de Janeiro e formado em engenharia mecânica em Porto Alegre, o quadrinista Léo é totalmente desconhecido pela quase totalidade de seus conterrâneos. Ou pelo menos era , até julho de 2006, data em que a editora Panini resolveu lançar no mercado brasileiro a série Aldebaran.
Na França, Leo é cultuado como autor de uma das melhores séries de fantasia e ficção dos últimos tempos, título que ele modestamente acha ser exagerado. Aldebaran conta a história dos primeiros colonizadores interplanetários saídos da Terra e mostra o desbravamento de um planeta com uma fauna exuberante, em um planeta estranho e quase todo aquático.
O desenho de Léo remete ao de Moebius, autor que na década de 70 consquistou o mundo com suas histórias de ficção publicadas nas revistas Pilote e Metal Hurlant, que viriam a ganhar versão globalizada na famosa Heavy Metal (entre as HQs de Moebius detacaram-se, por exemplo, O Incal, Garagem Hermética e a filosoficamente engraçada O Homem é Bom?)..."

Do site: http://hq.cosmo.com.br

O GRITO DO POVO



O Grito do Povo
Jean Vautrin & Jacques Tardi
Ed. Conrad


"...O Grito do povo é uma HQ singular, uma adaptação do romance de Jean Vautrin pelo premiado desenhista Jacques Tardi. Foi publicado no Brasil pela Editora Conrad em dois volumes, divididos em duas partes cada. O romance de Vautrin passa-se em uma França humilhada pela derrota na guerra franco-prussiana e com a população da capital insatisfeita com o governo. Nasce, então, um dos mais importantes episódios da história daquele país: A comuna de Paris. Herdeira das tradições revolucionárias francesas, a Comuna de Paris foi um governo popular organizado pelas massas parisienses em 18 de março de 1871, sendo fortemente marcado por diversas tendências ideológicas, populares e operárias..."

Valentina



VALENTINE
Valentina by Guido Crepax


"...Para deleite dos fãs brasileiros, a editora Conrad vai lançar, em ordem cronológica e em edição de luxo, as aventuras da lânguida italiana. "Valentina - Crepax 65 - 66", o primeiro título da série, reúne as suas primeiras quatro histórias: "A Curva de Lesmo", "Olá Valentina", "Sogno" e "Os Subterrâneos".

Se viva, Valentina Rosselli teria hoje 67 anos. Apresentada ao mundo em 1965, há 41 anos, pelas mãos de Guido Crepax, que publicou na revista Linus os seus primeiros passos, a personagem mais famosa dos quadrinhos eróticos italianos volta a circular.

Surgida como coadjovante nas tramas policiais protagonizadas por Neutron - herói criado por Crepax, cuja identidade secreta era o crítico de arte americano Philip Rembrandt - Valentina foi aos poucos ganhando espaço e assumindo papel central nas histórias. Já na metade do segundo episódio da série de Neutron, "Olá Valentina", a personagem avisa: "Um momento! Desta vez eu sou a protagonista da história". Três anos e muitas páginas depois a série passaria a levar seu nome.

A estréia oficial de Crepax no mundo das HQs trouxe mudanças à estrutura narrativa dos quadrinhos. A boca, os olhos e outras partes de Valentina, presentes em cortes e enquadramentos pouco comuns às HQs da época, trouxeram uma atmosfera cinematográfica e particular às histórias que, junto seu conteúdo surreal, foram responsáveis por conferir ao trabalho de Crepax o status de arte.

Inspirada na personagem Lulu, interpretada pela atriz Louise Brooks no filme "A Caixa de Pandora", e em Luisa Crepax, a mulher do quadrinista, Valentina, além de linda, era culta. Uma fotógrafa independente, sexy e bem resolvida que tornou-se a mulher dos sonhos de homens, que perdiam o olhar entre as suas longas curvas, e mulheres, que viam nela um exemplo a ser imitado.

Criada em Milão, um dos focos do design, moda e comportamento do mundo, Valentina faz inúmeras referências à alta costura, como seu corte de cabelo Channel e o seu vestido estilo Dior. Salas repletas de artistas, intelectuais e belas ragazzas, onde circulavam inúmeras referências literárias, musicais e artísticas, eram o ambiente natural de Philip Rembrandt e Valentina Rosselli..."

Do site: http://diversao.uol.com.br/arte/ultnot/2006/06/05/ult988u645.jhtm

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Léna



Léna
Le long voyage de Léna
Pierre Christin & André Juillard
Ed Dargaud

"...A maravilhosa banda desenhada "Le Long Voyage de Lena", pré-publicado em três capítulos na revista BoDoi, edições de Junho, Julho e Agosto/Setembro e posteriormente em formato album, significa talvez um dos melhores lançamentos do ano. O resultado do casamento entre um hábil e surpreendente argumento, arquitetado por Pierre Christin (o autor de Valerian), e o desenho claro e luminoso de André Juillard, confere ao livro um caráter especial.
A viagem de Lena é mesmo longa e transporta-nos dos arredores da antiga Berlim Leste até ao Dubai, com escalas em Budapeste, numa cidade universitária romena, em Buenos Aires, etc.
A misteriosa Léna, uma mulher tão assustadoramente elegante e estranhamente bonita, como o são todas as mulheres de Juillard (que a dotou de um nariz cumprido que só lhe acrescenta charme e caráter), tem uma memória prodigiosa e um passado envolto em nevoeiro que anda pelo mundo a distribuir embrulhos e mensagens, aparentemente a serviço de um projeto terrorista..."

Sugestão de leitura, infelizmente e por enquanto, só nas importadoras...